O que é Querer no Estoicismo (em inglês, Wanting)

No estoicismo, o conceito de “querer” é fundamental para compreender a filosofia e a ética dessa escola de pensamento. O estoicismo é uma antiga filosofia grega que enfatiza a importância do controle interno sobre as circunstâncias externas. Para os estoicos, o querer está intrinsecamente ligado ao controle que temos sobre nossas próprias ações e atitudes, independentemente das situações externas que possam surgir.

O querer como uma escolha racional

No estoicismo, o querer é considerado uma escolha racional baseada na nossa capacidade de discernir o que é bom e o que é ruim para nós. Os estoicos acreditavam que o querer é uma função da razão e que devemos nos esforçar para querer apenas aquilo que está de acordo com a virtude e a natureza humana. Para eles, o querer é uma questão de escolha consciente e deliberada, e não algo que acontece de forma automática ou impulsiva.

O querer como um desejo natural

Embora o estoicismo enfatize a importância do controle racional sobre o querer, os estoicos reconheciam que o desejo é uma parte natural da natureza humana. Eles acreditavam que todos nós temos desejos e impulsos naturais, mas que devemos aprender a controlá-los e direcioná-los de acordo com a razão. Para os estoicos, o querer não é algo a ser negado ou reprimido, mas sim algo a ser compreendido e disciplinado.

O querer como uma busca pela virtude

No estoicismo, o querer está intrinsecamente ligado à busca pela virtude. Os estoicos acreditavam que a virtude é o único bem verdadeiro e que todas as outras coisas são indiferentes. Portanto, o querer deve ser direcionado para aquilo que é virtuoso e moralmente correto. Para os estoicos, o querer é uma busca constante pela excelência moral e pela sabedoria, e não pela satisfação de desejos materiais ou egoístas.

O querer como uma aceitação das circunstâncias

Uma das principais ideias do estoicismo é a aceitação das circunstâncias externas. Os estoicos acreditavam que não podemos controlar o que acontece ao nosso redor, mas podemos controlar como reagimos a essas circunstâncias. Portanto, o querer no estoicismo envolve aceitar as coisas como elas são e buscar a virtude mesmo diante das adversidades. O querer não está ligado a desejos de mudar o mundo ou de controlar as situações, mas sim de cultivar a virtude em todas as circunstâncias.

O querer como uma prática diária

No estoicismo, o querer não é apenas uma ideia abstrata, mas sim uma prática diária. Os estoicos acreditavam que devemos exercitar nosso querer a cada momento, buscando sempre a virtude e agindo de acordo com a razão. O querer no estoicismo não é algo que acontece ocasionalmente, mas sim uma escolha constante e consciente que molda nossas ações e atitudes em todas as áreas da vida.

O querer como uma renúncia ao controle externo

Uma das principais lições do estoicismo é a renúncia ao controle externo. Os estoicos acreditavam que não devemos nos preocupar com aquilo que está além do nosso controle, como as opiniões dos outros, as circunstâncias externas ou o resultado das nossas ações. Em vez disso, devemos focar no que está ao nosso alcance, ou seja, o nosso querer e a nossa escolha de agir de acordo com a virtude. O querer no estoicismo envolve desapego das coisas externas e concentração no que realmente importa: a nossa própria virtude.

O querer como uma busca pela tranquilidade interior

Outro aspecto importante do querer no estoicismo é a busca pela tranquilidade interior. Os estoicos acreditavam que a verdadeira felicidade e paz de espírito podem ser encontradas ao aceitarmos as coisas como elas são e ao vivermos de acordo com a virtude. Portanto, o querer no estoicismo envolve buscar a serenidade interior e a tranquilidade diante das adversidades. O querer não está ligado a desejos de prazer imediato ou de evitar o sofrimento, mas sim de cultivar uma paz interior duradoura.

O querer como uma prática de autodisciplina

No estoicismo, o querer está intimamente ligado à autodisciplina. Os estoicos acreditavam que devemos aprender a controlar nossos desejos e impulsos naturais por meio da razão e da disciplina. O querer no estoicismo envolve treinar a mente para desejar apenas aquilo que está de acordo com a virtude e para resistir às tentações e aos prazeres passageiros. A autodisciplina é vista como uma prática essencial para alcançar a excelência moral e a sabedoria.

O querer como uma escolha de vida

No estoicismo, o querer não é apenas uma escolha momentânea, mas sim uma escolha de vida. Os estoicos acreditavam que devemos fazer do querer uma parte integrante do nosso ser, buscando sempre a virtude e agindo de acordo com a razão em todas as áreas da vida. O querer no estoicismo não é algo que podemos separar das nossas ações e atitudes diárias, mas sim algo que define quem somos e como vivemos.

O querer como uma busca pela excelência moral

Por fim, o querer no estoicismo é uma busca constante pela excelência moral. Os estoicos acreditavam que devemos nos esforçar para querer apenas aquilo que é virtuoso e moralmente correto, mesmo que isso signifique abrir mão de desejos materiais ou egoístas. O querer no estoicismo envolve cultivar a virtude em todas as áreas da vida e buscar a sabedoria como guia para nossas ações e atitudes.

Em resumo, o querer no estoicismo é uma escolha racional baseada na busca pela virtude, pela tranquilidade interior e pela excelência moral. É uma prática diária de autodisciplina e renúncia ao controle externo. O querer no estoicismo não está ligado a desejos materiais ou egoístas, mas sim a uma busca constante pela sabedoria e pela virtude em todas as áreas da vida.

Marcos Mariano
Marcos Mariano

Olá, sou Marcos Mariano, o criador do "Estoico Viver" e sou apaixonado pelo Estoicismo. Minha jornada na filosofia estoica começou com a busca por uma maneira de viver uma vida mais significativa, resiliente e virtuosa. Ao longo dos anos, mergulhei profundamente nos ensinamentos dos grandes filósofos estoicos, como Sêneca, Epicteto e Marco Aurélio, e encontrei inspiração e orientação valiosas para enfrentar os desafios da vida moderna.

Artigos: 2837